Porque a energia solar se destaca como matriz energética?

Porque a energia solar se destaca como matriz energética?

Matriz Energética Brasileira - OAK Energia - Sophia Lapertosa

Dentre as diversas fontes de energias existentes (solar, hidráulica, eólica, biomassa, e combustíveis fósseis) as quais constituem a matriz energética brasileira, destacam-se neste post as vantagens da energia solar frente às demais para a matriz energética. O aproveitamento da energia solar pode realizar por aproveitamento térmico para aquecimento de ambientes, sendo denominado aquecimento solar passivo. Esse aproveitamento ocorre através de implementações de técnicas mais sofisticadas de arquitetura e construção civil, as quais corroboram com maior absorção ou penetração da radiação solar nas residências e edifícios, acarretando na redução de aquecimento e iluminação elétrica, durante pelo menos um período do dia.
O aproveitamento da energia solar também pode visar o aquecimento térmico para fluidos, os quais são denominados de aquecedores solares. Destacadamente, a energia solar tem como objetivo principal a geração de energia elétrica através dos sistemas fotovoltaicos. Dessa maneira, em um país tropical como o Brasil, o aproveitamento da energia solar pode suprir a demanda energéticas de milhões de domicílios, comércios, fábricas e indústrias, podendo economizar, no mínimo, R$ 2 bilhões de reais na conta de luz dos brasileiros (EPE – Estimativa da Empresa de Pesquisa Energética). Nesse viés, a energia solar ganha grande destaque na matriz energética, já que os sistemas fotovoltaicos para geração de energia elétrica estão com preços cada vez mais competitivos e as ofertas do mercado para financiamento apoiam sua popularização em todo território brasileiro. Exemplo desses incentivos é a criação da lei 13.169/2015 (6 de outubro de 2015) com isenção de impostos e taxas na conta de luz dos que utilizam energia solar.

matriz energética brasileira
Segundo Rodrigo Lopes Sauaia (presidente-executivo da Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica – Absolar) o Ministério de Integração Nacional apoia a iniciativa para difundir a micro geração de energia solar no Brasil com uma oferta de R$ 3,2 bilhões para financiar instalações de placas fotovoltaicas em residências e estabelecimentos comerciais. Sauaia destaca “A instalação das placas fotovoltaicas contribui diretamente na redução dos gastos com energia elétrica, geração de empregos de qualidade e com a sustentabilidade ambiental, por ser uma energia limpa”. Por fim, segundo a Absolar outro benefício já definido para a geração distribuída de energia solar é a aprovação pelo Confaz (Conselho Nacional de Política Fazendária) da isenção de ICMS sobre o saldo de energia que receber da distribuidora de pelo menos dez estados.
De acordo com o Atlas de Irradiação Solar no Brasil, elaborado pelo INMET – Instituto Nacional de Meteorologia, o elevado índice anual de radiação solar pode chegar a 6 kWh/m2.dia. Esse índice elevado associado com as tecnologias de mercado pode proporcionar uma redução de até 90% com os gastos mensais com energia. Por fim, a ANEEL – Agência Nacional de Energia Elétrica – ressalta que o aproveitamento efetivo da radiação solar com consequente geração de energia elétrica corresponde a menos de 1% na matriz de energia elétrica do Brasil, equivalendo a 1,3 milhões de kW. As estimativas são as melhores, uma vez que até 2026, aproximadamente, 860 mil consumidores terão adotados os sistemas fotovoltaicos, correspondendo a ~13% do abastecimento das residências. Dessa forma, através dos investimentos federais, atrelados com os melhores preços, financiamento e tecnologia dos sistemas fotovoltaicos, a energia solar tem espaço e importância na matriz energética Brasileira.